Nossos Ritmos

A Zumba foi criada por volta de 1990, pelo professor de aeróbica e personal trainer colombiano Alberto Perez, mais conhecido como Beto. Interessantemente, a modalidade surgiu ocasionalmente, quando o mesmo improvisou numa de suas aulas, lições com movimentos de dança latina. O fato ocorreu porque Beto havia esquecido o material de música fitness regular em casa.

A Zumba mistura elementos de samba, salsa, merengue, mambo, hip hop, flamenco, dança do ventre e outros. Esses estilos permitem uma prática completa, promovendo o condicionamento físico de um modo geral. Os treinos são intervalados e de total resistência, para maximizar a queima de calorias, beneficiar o condicionamento cardiovascular e promover a tonificação corporal por completo. Cada aula de Zumba com duração de uma hora pode queimar até 1.000 calorias, sendo uma excelente opção para manter a forma fisica.

A Stiletto Dance foi criada pela artista Dana Foglia, professora do Broadway Dance Center, em Nova Iorque, a partir da necessidade dos bailarinos aprenderem a dançar de salto alto para apresentações em clipes, shows e comerciais. Nascido nos Estados Unidos, a referência do nome é justamente o salto alto, parte obrigatória das aulas. A dança que nasceu para o meio comercial, para shows e clipes, tem hoje bailarinos amadores que viram no estilo uma forma de trabalhar a elegância, classe e postura.

Nas aulas, os movimentos leves e sutis são incentivados, usando os ombros, quadris, mãos e pés, valorizado uma pegada sensual, como os movimentos dos cabelos. O Stiletto Dance é uma modalidade que vem conquistando muitas brasileiras, na qual é procurada a essência da mulher, com sensualidade, de maneira natural e não vulgar.

A aula é trabalhada em duas etapas. Na primeira, chamada de “High Heels”, o professor ensina como se manter em cima do salto alto. Por meio de técnicas de jazz e ballet pratica-se o equilíbrio, caminhadas e outras movimentações com o salto. A segunda parte, chamada “Femmology”, a modalidade de dança ensina como a mulher pode explorar sua essência e se tornar mais feminina.

A combinação da aula é feita por jazz, hip hop, e claro, o salto alto. O Stiletto Dance melhora a postura e o equilíbrio, além de promover um trabalho muscular intenso em todo o corpo.

Nome dado a um estilo de dança que se originou nas cortes da Itália renascentista durante o século XV. Se desenvolveu ainda mais na Inglaterra, Rússia e França como uma forma de dança de concerto.O balé é um tipo de dança influente que possui uma forma altamente técnica, um vocabulário próprio e requer muita prática. As diferentes técnicas de balé são coreografadas e realizadas por artistas formados e também acompanhadas por arranjos musicais que geralmente são músicas classicas.

Atualmente existem várias outras modalidades de balé, entre eles: balé expressionista, neoclássico e modalidades que incorporam elementos da dança moderna.

É um estilo equilibrado de dança que incorpora as técnicas fundamentais para muitas outras formas de dança.

O jazz é uma expressão corporal criada e sustentada pelo improviso. Na sua raiz, é essencialmente popular. Sua evolução natural veio paralela aos ritmos musicais que surgiram nos Estados Unidos, no final do século XIX, o que se pode afirmar,diretamente da cultura negra.

No início do século XX, as danças afro-americanas começavam a penetrar nos salões, e a sofrer novas influências do can-can e do charleston, principalmente. Logo tomou conta dos palcos da Broadway, se transformando em grandes produções de comédias musicais, que é o segundo nome dado à dança mais conhecida como jazz.

Essa forma de expressão artística é hoje conhecida sob vários aspectos: Jazz Dance, Soul Jazz, Free Style e Jazz. No Brasil, determinadas formas de ginásticas e outras atividades físicas são muitas vezes confundidas e englobadas no mesmo termo. As diferentes técnicas do Jazz demonstram que muitos dos seus princípios foram herdados do ballet clássico e da dança moderna.

Os métodos de fundamentação técnica para formação do bailarino são cada vez mais ecléticos e mais divulgado e desenvolvido pelos professores e coreógrafos. Com as novas tecnologias e as transformações porque passa a sociedade contemporânea, o jazz pode sofrer novas influências e continuará a ser por muitas décadas, uma das formas mais importantes de expressão artísticas.

Refere-se aos estilos de dança sociais ou coreografados relacionados à música e à cultura hip hop. Isto incluiu uma grande variedade de estilos, especialmente breakdance, locking e popping, os quais foram desenvolvidos na década de 70 por afros e latino-americanos. O que diferencia a dança hip hop de outros tipos de dança é o freestyle e os seus dançarinos frequentemente estarem envolvidos em batalhas – competições de dança formais ou informais. Sessões informais e batalhas de freestyle são geralmente realizadas em um cipher, um espaço de dança circular que se forma naturalmente quando a dança inicia. Os três elementos – freestyle, batalhas e ciphers – são os componentes da dança hip hop. Com mais de trinta anos de existência, a dança hip hop tornou-se amplamente conhecida e faz parte das danças urbanas, que engloba vários estilos de dança.

Samba-rock é um tipo dança que surgiu da criatividade dos frequentadores dos bailes – em casas de família e salões da periferia de São Paulo – no final da década de 50 e começo da década de 60, mesclando os movimentos do rock and roll com os passos do samba de gafieira. A dança, praticada do mesmo jeito há mais de quarenta anos, sofreu poucas alterações e os passos podem ser realizados ao som de vários outros gêneros musicais. Em dupla, os bailarinos cruzam seus braços sobre a cabeça do outro, em rodopios e movimentos curtos que seguem uma batida cadenciada, em quatro tempos. Em geral, o homem conduz a mulher em uma espécie de rockabilly, mas sem passos aéreos, com os parceiros mais próximos e as mãos sempre unidas, e os pés acompanhando a batida.

O nascimento do tango argentino se deu no secluo XIX, com influência da polca européia, a havaneira cubana, o candombe uruguaio e a milonga espanhola.

O tango tornou-se sinônimo de paixão, melancolia e tristeza. Conforme sentencia uma famosa expressão “o tango é um pensamento triste que se pode dançar”. No entanto, ao contrário do que pensamos, o tango não “nasceu” triste e argentino.

Em seus primeiros anos, o tango era formado por um trio musical executante de ritmos mais acelerados e os passos de dança tinham muita sensualidade. Só mais tarde que os tangos começaram a ganhar suas primeiras letras. Fazendo jus ao seu local de origem, os Bordéis e Casas de Prostituição. Isso mesmo, as primeiras letras descreviam situações libidinosas sobre os prostíbulos e as meretrizes. Por isso, durante algum tempo, o tango era sinônimo de imoralidade.

Saindo dos prostíbulos para os salões de festa, o tango alcançou sua máxima popularização com o estrondoso sucesso do cantor Carlos Gardel.

Ainda hoje, o tango é uma das expressões artísticas mais conhecidas na Argentina e seus espetáculos atraem turistas de todo o mundo.

O termo “forró” que surgiu no começo do século XX, segundo o filósofo pernambucano Evanildo Bechara, é uma redução de forrobodó, que por sua vez é uma variante do antigo vocábulo galego-português forbodó. O termo “forró” a princípio designa a festa onde se dança, se toca, enfim, onde há diversão. Mas não qualquer festa, qualquer música. Deve ser uma seqüência de ritmos nordestinos, tais como xaxado, côco, baião, xote, entre outros.

Alguns pesquisadores dizem que o forró universitário surgiu no ano de 1975, mas naquela época o forró chegou no meio universitário sem sofrer nenhuma alteração se dançava forró de maneira tradicional, sendo alterado e considerado o atual forró universitário a partir de 1990.

O forró é dançado em pares que executam diversas evoluções, diferentes para o forró nordestino e o forró universitário.

O forró nordestino é executado com mais malícia e sensualidade, dançando de forma mais junta, o que exige maior cumplicidade entre os parceiros enquanto o forró univeritario tem uma serie de movimentos de giros e voltas entre os parceiros.

A salsa é uma mescla de ritmos afro-americanos, tais como o son montuno, mambo e a rumba cubana. O termo Salsa surgiu nos anos 40, depois que muitos músicos sairam de Cuba durante a revolução e se instalaram principalmente nos EUA e México.

O ritmo ganhou muito força na década de 70 com a popularização do ritmo pela gravadora Fania All Stars que reunia grande nomes as salsa da época, como Celia Cruz, Tito Puente e muitos outros. Recebeu ainda influências do merengue (República Dominicana), do Calipso (Trinidad e Tobago), da cumbia colombiana, do blues e jazz norte-americano, além de muitos outros generos músicais.

A dança é desenvolvidada principalmente por dois estilos: a salsa cubana que é dançada com muitos giros e de forma circular; e a salsa em linha que é dançada se deslocando de um lado para o outro, com evoluções arrojadas e criativas.

Ambas tem a característica de mesclar swing, alegria e expressa toda a cultura latina através da dança.

O bolero é um ritmo que mescla raízes espanholas com influências locais de vários países hispano-americanos. De origem cubana tornou-se mais conhecido como canção romântica mexicana, sofreu modificações, especialmente desenvolvendo temas mais românticos e de ritmo mais lento.Sabe-se que o bolero influenciou o samba-canção, o chá-chá-chá e a salsa. Na República Dominicana, surgiu, na década de 1960, uma variante do bolero chamada bachata.

No Brasil, até o início da década de 90, o bolero restringia-se praticamente a base do “dois pra cá, dois pra lá” ou mesmo ao “um pra lá e dois pra cá” dos dançarinos mais antigos.

Em especial no Rio de Janeiro, essa dança adquire uma estrutura mais complexa incorporando movimentos do Tango, como trocadilhos, esses, caminhadas, cruzados e giros.

Atualmente no Brasil temos uma forma peculiar de se dançar o bolero. É um ritmo romântico e excelente para se iniciar nas danças de salão.

Gênero musical derivado de ritmos e melodias de raízes africanas, como o Lundu e o Batuque. A coreografia é acompanhada de música em compasso binário e ritmo sincopado. Tradicionalmente, é tocado por intrumentos de cordas como cavaquinho e vários tipos de violão, variados instrumentos de percussão e por influência das orquestras americanas, a partir da segunda guerra mundial, passaram a ser utilizados também instrumentos de sopro como trombones,trompetes, e, por influência do Choro, flauta e clarineta.

O Samba de Gafieira quanto dança é representado pelo dito “malandro”, que sempre protege sua dama, dando a ela espaço para que possa se exibir para ele e para o baile inteiro ao seu redor e, ao mesmo tempo, impedindo uma aproximação de qualquer outro homem que queira puxá-la para dançar. Daí também a atitude de se sambar com os braços abertos.

É um ritmo que teve muita influência do maxixe e do tango, por isso a semelhança nos movimentos de sacadas de pernas e ganchos de variás formas.

O samba de Gafieira foi desenvolvido primeiramente no Rio de Janeiro e atualmente é popular em todo o Brasil e está a cada dia com essa globalização se espalhando pelo mundo inteiro com pólos na de dança na Europa, Oceânia e América do Norte.

Zouk – que significa “festa” – gênero musical originário das Antilhas (Guadalupe e Martinica).
No Brasil, utiliza-se a música zouk para uma de dança oriunda da Lambada, porém com movimentos mais adaptados. A lambada era muito rápida e frenética, impossibilitando muitos passos que existem hoje.

É preciso ter muito cuidado para não confundir a música com a dança. A dança zouk brasileiro pode ser dançada com diversos ritmos como: kizomba, tarraxinha, cabolove, cabozouk, reggeton e R&B. A dança zouk do Caribe (também conhecida como passada) está em muitos lugares, como França e Inglaterra. Os principais polos do zouk caribenho são Cabo Verde e Haiti. A dança e estilo musical kizomba, que é parecido com o zouk, é de origem angolana, tendo forte implementação nos países africanos de língua oficial portuguesa, mas não está relacionada com o zouk dançado no Brasil.

A dança zouk brasileiro possui hoje vários estilos. Mas a base para a dança nunca deixou de ser a lambada, os giros e movimentos de braços presentes na em vários ritmos se destacam no Zouk Brasileiro de forma sensual e criativa.

Atualmente o ritmo virou moda no mundo todo, com um crescimento enorme nos paises extrangeiros, mesclando o swing e sensualidade das danças brasileiras unidas a uma música com batidas contagiantes e divertidas.

O Sertanejo Universitário é um estilo musical que provém de uma mistura da música sertaneja, do segmento freestyle do funk carioca com toques e batidas provenientes do arrocha. É considerado o terceiro segmento na evolução da música sertaneja, estando atrás do sertanejo dito raiz e do sertanejo romântico, muito popular entre as décadas de 1980 e 1990.

A dança iniciou-se com a partir do Country há décadas nos EUA e Brasil. A partir de 2009 o Sertanejo Universitário se desenvolveu na cidade de São Paulo com influência de ritmos mais antigos como o Samba-Rock, Bachata, Zouk Brasileiro, Salsa (com deslocamento em linha), entre outros, sofrento uma tranformação na linguagem da dança e uma forma peculiar para dançar esse novo genero musical.

O ritmo vem se popularizando cada vez mais pelo Brasil e tomando as pistas das casas noturnas de todo o país, atraindo o público jovem com movimentos modernos e arrojados.